Sinopse

 

SINOPSE DO PRIMEIRO ATO


A Corte se diverte. Personagens caricaturados evoluem numa dança decadente. O médico é amparado em seu leito de morte e passa seu diploma ao filho Frederico, que rejeita a função e despreza esse mundo. Surge um cavalo, os dois desmoronam essa sociedade e fogem. A cena vai sendo tomada pela família dos equilibristas, imagem lírica de um mundo novo para os olhos maravilhados de Frederico. Essas personagens puras, portadoras de toda a Arte, não só do Circo, executam uma dança de seu cotidiano. 

Beatriz apaixona-se por Frederico e esta figura da Corte encontra no mundo do Circo a satisfação de todos os seus anseios. O dueto de amor tem como pano de fundo o cotidiano da família, como a nos lembrar que o amor no Circo não estará nunca sozinho, mas sempre acompanhado de um trabalho penoso e disciplinado. Ao final do dueto nasce Charlotte, e todos se unem para a abertura do Circo. 

Frederico e Beatriz apresentam a filha Charlotte, a nova estrela do recém formado Circo Knieps. Ao final todos se retiram, recolhendo suas coisas, já desmontando suas roupas.  É final do espetáculo. O cansaço. A vida real. 

Os palhaços realizam uma pantomima sobre o amor para Charlotte adolescente. Também um pierrot adolescente procura o amor, protegido pelo Pai-Pierrot. Os três realizam uma dança ingênua de buscas e receios. É um amor infantil, puro, com a descoberta final do sexo.

Surgem grupos de convidados .para o casamento. Os pais preparam Charlotte e Clown. A alegria predomina e logo nasce Otto, que não se identificará com nenhuma personagem do Circo, pois será ele quem dará início à uma nova geração cultural, interessando-se por uma mulher fora do ambiente circense.

As personagens do Circo se encaminham para o carroção a fim de partir para a estrada. Otto não quer seguir o Circo.  O carroção cruza com o carro-Cabaré. Todos se observam.

É o encontro de duas linguagens de espetáculo, duas culturas.  O palco é violentado por essa onda de erotismo. A pureza do Circo, o amor poético, dão lugar ao amor paixão, ao amor sexo. Otto, apesar de sentir-se fora de seu ambiente, brinca com essas novas figuras, e apaixona-se por Lily. Ao final do show, da mesma forma que no Circo, o cansaço, a troca de roupa, o cotidiano. Otto e Lily se preparam para o sexo.  Dançam o amor-paixão, feito de buscas e rejeições.

Lily já não se satisfaz com a ingenuidade de Otto, que aos poucos tornou-se prepotente. Os dois mundos já não se completam mais. É preciso criar uma nova vida. Uma nova Arte. Lily se lança à essa nova aventura. Do sonho para o pesadelo, para a auto-dilaceração. Para, quem sabe, uma nova purificação.  Lily entrega-se ao sadismo do tatuador, para que lhe imprima no ventre uma imagem sagrada . Em seu delírio, misto de masoquismo e santidade, percebe figuras de freiras-santas, que vagam no espaço. Também um grupo de “voyeurs” vem juntar-se a essa paixão e morte. Otto assiste tudo, assustado com o poder de entrega de Lily. Une-se a ela por um momento. É desse universo que nasce Margareth.


SINOPSE DO SEGUNDO ATO


Margareth está tomada por uma crise de misticismo e tem um encontro com uma procissão de freiras. O Circo, na figura do Palhaço, tenta atraí-la sem resultados. Em sua alucinação, ela declara amor ao Cristo e se deixa envolver por figuras de anjos que a acompanharão a vida toda.

As sombras desaparecem e em sua solidão ela sai à procura do Tatuador para que lhe imprima na carne todo o seu amor a Deus. Ao contrário das figuras religiosas, ela agora se mistura com o que há de mais real, as figuras do povo.  Pode então dar prosseguimento ao Circo, ao novo circo que tem sua marca de misticismo. Ali, a domadora adquire um Poder além do chicote, o das imagens sagradas em seu corpo tatuado, que faz com que as feras se amansem.

Como líder do Circo, Margareth apresenta o número de trapezistas, liderados por Ludwig, por quem se apaixona e casa. Num dueto de amor começa a agonia de Ludwig, que morre por não poder satisfazer seu desejo, já que as imagens sagradas o tornam impotente.

Margareth introduz o número dos homens-fera, onde se encontra Rudolf, que a possui violentamente e em seguida morre, também ele perturbado por suas tatuagens sagradas. Já alucinada por esse misto de sexo e Deus, Margareth dá à luz, sozinha, às gêmeas Marie e Helene.

Marie e Helene, a purificação final da dinastia, transcendem à própria arte do circo e se tornam personagens-santas, santidade que é a essência de todo artista.

Elas se embalam, envoltas por mães e pais vindos do povo, como que a lembrar-lhes da vida real. Que elas só existem porque eles existem. É o povo que dá vida ao artista. 

Atraídos por essas figuras iluminadas, surgem os Banqueiros.  Grupo ameaçador, imagem do poder, elemento repressor e antropofágico do artista-povo. Tentam possuí-las e seduzi-las para seu mundo, mas serão afugentados pela inocência das crianças, do povo, público mais puro e fiel do circo.

E o encontro artista-criança, elementos essenciais para a realização mágica do espetáculo. Dessa união máxima de essências, acontece a Levitação.

Marie e Helene apresentam seus poderes santificados, flutuando no ar sem mais truques circenses *, mas com o poder do artista-santo.

Além da vida e da morte, do mundo da arte, surgem as personagens que geraram essas gêmeas.  É como se cada um quisesse transmitir-lhes, e a nós também, seus ensinamentos, suas dúvidas, sua imortalidade.

A idéia do eterno caminhar lado a lado do artista-povo, explode na canção final, numa imagem que se renova através das gerações, num contínuo chegar e partir para estradas, deixando sempre atrás de si, nesse grande circo da vida, a Imagem da Arte.


  1. *Na levitação são utilizadas as tradicionais figuras de preto do Teatro Japonês e do Teatro Negro de Praga, nos quais se estabeleceu um código de que essas figuras são invisíveis.


Personagens


Frederico

Filho do médico de câmara da imperatriz Teresa da Áustria. Deveria ser médico também, mas se apaixonou pela equilibrista Agnes (Beatriz) e acabou no circo. Fundou a dinastia dos Knieps, que serviu de inspiração para o poema de Jorge de Lima. E se destaca o duo ao som de Beatriz, gravada por

Milton Nascimento.


Beatriz

Artista de circo por quem Frederico se apaixona e se casa. No poema, chamava-se Agnes, mas Chico Buarque mudou o nome quando compôs a música do balé que mais tem regravações.


Charlotte

Filha de Frederico e Beatriz, Charlotte se casa com o clown, no último mês de gravidez, ao som de Opereta do Casamento. Nascem Oto e Marie.


Lily Braun

A grande deslocadora se casa com Oto, o neto de Beatriz. Sua história é contada na voz de Gal Costa. A moça tem um santo tatuado no ventre.


Margarete

Filha de Lily Braun. Quer entrar para o convento, mas o pai Oto não concorda. Casa-se com o trapezista Ludwig e um dia resolve tatuar a Via Sacra do Senhor dos Passos em seu corpo. As imagens afastam os leões, o tigre e o marido. É estuprada pelo ateu e boxeur Rudolf, que se converte e morre depois do ato. A personagem tem cinco músicas em sua história, entre as quais Meu Namorado e A Bela e a Fera.


Marie e Helene

Gêmeas que nascem do estupro de Margarete, são a grande atração de O Grande Circo Místico. Diz o poema que elas se apresentam nuas, mas conservam as almas puras. Levitam em cena, é pureza mesmo — aí reside a verdadeira história do circo místico.